A Lei

“Aquele, porém, que atenta bem para a lei perfeita da liberdade, e nisso persevera, não sendo ouvinte esquecidiço, mas fazedor da obra, este tal será bem-aventurado no seu feito.” Tiago 1:25

Aquele que tem liberdade é alguém que foi liberto de algo, ou seja, não é escravo.

“Assim falai, e assim procedei, como devendo ser julgados pela lei da liberdade.” Tiago 2:12

Muitas vezes sugere-se que a liberdade mencionada aqui tem a ver com a libertação do pecado. Mas, eu creio que ela nos libera das ações que resultam em pecado.

Ações que Resultam em Pecado

A lei perfeita, a lei da liberdade é a lei que nos liberta das ações que resultam em pecado. Aquele que não está em liberdade está preso.

Podemos entender que quem não atua pela lei da liberdade, não está liberto em Cristo, não tem a capacidade de simplesmente não pecar, ou seja, é escravo do pecado.

Podemos comparar o pecado com um vício como o da droga, não existe “liberdade” para a pessoa dizer não para a droga, porque a “força” do vício traz uma condição de escravidão.

Mente Dividida

“O homem de coração dobre é inconstante em todos os seus caminhos.” Tiago 1:8

Alguém que não atua pela lei da liberdade é considerado alguém de mente dividida, ou como Tiago diz, coração dobre.

O homem de mente dividida tomará uma atitude por algum motivo convincente, e então ele terá outra atitude oposta por uma razão convincente diferente.

A implicação em Tiago é que os motivos convincentes não podem ser opostos uns aos outros. Em um caso, a compulsão pode ser: servir a carne, e no outro pode ser: servir a Deus. É a oposição das forças que enchem o homem de dúvida.

É disso que Paulo fala em Romanos. Portanto, como Deus não recompensará esse homem, só podemos assumir que um conjunto de forças convincentes não são de Deus, não são agradáveis ​​a Deus, se opõem a Deus e, portanto, coloca Deus em desacordo com eles.

Podemos concluir que o homem pode  ser convencido pela força da justiça  ou ser convencido pela força do pecado. Uma vez que o homem de mente dupla não será convencido pela força da justiça o tempo todo, ele não é o homem de Deus. Esse homem ainda está preso à força convincente do pecado.

Qual é a força convincente do pecado?

“Mas cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência. Depois, havendo a concupiscência concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte.” Tiago 1:14,15

A fonte do pecado está no desejo do coração. A força convincente do pecado é a luxúria. O que é luxúria? A luxúria é o desejo à satisfação da carne.

A força da luxúria pode ser fraca ou pode ser tão forte que agrava a vontade de fazer. Mas, fraco ou forte, tem o mesmo objetivo, a satisfação dos desejos carnais.

Alguns homens desejam dinheiro; alguns homens desejam status social; alguns homens desejam poder sobre outras pessoas; alguns homens desejam satisfação sexual, e outros homens vão se satisfazer com vícios.

Tendo liberdade, vivendo na liberdade

Se quisermos ter liberdade, como podemos tê-la? Se tivermos liberdade, como vivemos com ela?

Entendemos que a liberdade que temos é a liberdade de resistir à força convincente da luxúria, do desejo a satisfação carnal.

Temos a liberdade de resistir a qualquer força que nos obrigue a pensar ou a fazer qualquer coisa que distraia o coração da força convincente da justiça.

Enquanto nós temos essa liberdade, como isso se traduz em nossa vida?

Para viver uma vida na liberdade proporcionada por Deus, através do sacrifício de Cristo, é preciso assumir a responsabilidade pelas escolhas que se faz.

“Jesus dizia, pois, aos judeus que criam nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos; E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. Responderam-lhe: Somos descendência de Abraão, e nunca servimos a ninguém; como dizes tu: Sereis livres? Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado. Ora o servo não fica para sempre em casa; o Filho fica para sempre. Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.” João 8:31-36

Tiago, Paulo e Pedro tinham entre eles a ideia de liberdade. Eles viram sua condição anterior como um escravo, não só na condição de sua escravidão à luxúria, mas também na escravização de um modo de vida.

Eles encorajaram as pessoas a serem livres de tudo, a serem libertas, independentes e autônomas. Confiando suas almas para ninguém, somente a Deus através de Cristo.

“Mas prove cada um a sua própria obra, e terá glória só em si mesmo, e não noutro. Porque cada qual levará a sua própria carga.” Gálatas 6:4,5

Conclusão

Fomos libertos. Temos a liberdade de escolher a justiça sobre a maldade. Mas, só é liberdade quando escolhemos viver nossa vida nessa liberdade. Se eu for livre e optar por viver minha vida como se eu não fosse livre, então não sou livre. Ainda estou em escravidão.

“Por isso, rejeitando toda a imundícia e superfluidade de malícia, recebei com mansidão a palavra em vós enxertada, a qual pode salvar as vossas almas.” Tiago 1:21

É nossa escolha deixar de lado a imundície e receber a palavra implantada. Temos a liberdade de fazer isso, de fazer as escolhas para fazer o que é certo, e é nossa responsabilidade viver nessa liberdade.

“Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado.” Tiago 4:7